Início / Artigos / O que a Bíblia ensina sobre o namoro?

O que a Bíblia ensina sobre o namoro?

Por Pr. Marco Antonio Araújo

Esse é um assunto que interessa todos os adolescentes, que nessa fase da vida descobrem o romantismo e desenvolvem carências e afetos. O interessante sobre o namoro é que, nos moldes que existe nos dias atuais, ele é um conceito muito novo na história da humanidade. Começou a ser praticado há menos de um século e, portanto, não é descrito claramente na Bíblia. Em todo o restante da história da humanidade os pais decidiam com quem os filhos se casariam. Isso hoje parece um total absurdo para nós. Mas, conjugado a outros costumes e circunstâncias, era uma prática que funcionava bem em uns casos e mal em outros, dependendo de diversos fatores – como o bom senso dos pais e a boa disposição dos filhos.

O compromisso com a vida familiar era muito mais intenso, o que levava o casal a se esforçar mais para encontrar um bom ajuste entre ambos. Há registro de ocasiões em que o interesse amoroso surgia nos filhos e seus pais intermediavam o relacionamento, de comum acordo. Uma circunstância que justificava a escolha pelos pais era o fato de as pessoas se casarem muito cedo, ainda na adolescência, enquanto hoje o casamento, geralmente, ocorre na fase adulta.

Assim, embora o conceito atual de namoro não esteja descrito na Bíblia, nela temos muitos ensinamentos que orientam como devem proceder os solteiros. Portanto, é possível a você que deseja namorar fazer isso de acordo com padrões cristãos e, assim, por sua própria escolha, encontrar alguém com quem se casar. Se aos olhos das pessoas dos nossos dias parece absurda a forma antiga, também é absurda a forma atual, pela qual muitos tratam o namoro como entretenimento, um lazer sem compromisso.

Para um namoro ser de fato cristão, de acordo com os ensinos bíblicos, precisa, em primeiro lugar, ser entre irmãos em Cristo, conforme acabamos de ver em 2 Coríntios 6.14-18. Precisa, também, ter o propósito de conduzir ao casamento – não pode ser casual, um entretenimento, algo como ficar por ficar. Ele só deve ser iniciado quando o casal percebe que existe boa chance de se conduzir ao casamento. Se, no entanto, em meio ao namoro, perceberem que não têm futuro juntos, então podem e devem encerrar o relacionamento, sempre tendo cuidado de fazer isso com consideração e respeito mútuos, lembrando que são irmãos em Cristo e que devem zelar um pelo outro. A Bíblia ensina: “Dediquem-se uns aos outros com amor fraternal. Prefiram dar honra aos outros mais que a si próprios” (Romanos 12.10).

Uma outra coisa importante a ressaltar sobre a escolha do(a) namorado(a) é que, embora você possa decidir com quem deseja namorar ou se casar, deve ouvir atentamente a opinião de seus pais e do seu Pastor. Por quê? Porque como são mais experientes nas coisas espirituais e nas coisas da vida, poderão orientá-lo melhor e até lhe mostrar perigos que você não esteja percebendo, por estar muito envolvido emocionalmente.

Outro aspecto muito importante com que todos devem ter cuidado é manter a santidade no namoro, afastando-se de toda forma de impureza, principalmente sexual. O sexo é prazeroso e bom, mas Deus o destinou para a vida conjugal, ao contrário do que a sociedade não-cristã em que vivemos defende. Portanto, praticá-lo fora do contexto do casamento é pecado e trará, por causa disso, consequências desastrosas à vida espiritual daquele que o praticar e até mesmo à sua saúde emocional e física (muitas doenças são espalhadas por relações sexuais fora do casamento).

O namoro cristão deve ser baseado em comunhão espiritual e sentimental. E deve enfocar o diálogo, para que o casal se conheça e estreite os laços de afeto e confiança, com vistas a um futuro casamento. Quando o contato físico é exagerado, o casal dá espaço ao Diabo e com isso se expõe à tentação e ao pecado sexual, o que a Bíblia condena claramente. Veja algumas das citações bíblicas sobre o assunto:

“Os alimentos foram feitos para o estômago e o estômago para os alimentos, mas Deus destruirá ambos. O corpo, porém, não é para a imoralidade, mas para o Senhor, e o Senhor para o corpo. Por seu poder, Deus ressuscitou o Senhor e também nos ressuscitará. Vocês não sabem que os seus corpos são membros de Cristo? Tomarei eu os membros de Cristo e os unirei a uma prostituta? De maneira nenhuma! Vocês não sabem que aquele que se une a uma prostituta é um corpo com ela? Pois, como está escrito: ‘Os dois serão uma só carne’. Mas aquele que se une ao Senhor é um espírito com ele. Fujam da imoralidade sexual. Todos os outros pecados que alguém comete, fora do corpo os comete; mas quem peca sexualmente, peca contra o seu próprio corpo. Acaso não sabem que o corpo de vocês é santuário do Espírito Santo que habita em vocês, que lhes foi dado por Deus, e que vocês não são de si mesmos? Vocês foram comprados por alto preço. Portanto, glori quem a Deus com o seu próprio corpo”. (1 Coríntios 6.13-20)

“Quanto ao mais, irmãos, já os instruímos acerca de como viver a fim de agradar a Deus e, de fato, assim vocês estão procedendo. Agora lhes pedimos e exortamos no Senhor Jesus que cresçam nisso cada vez mais. Pois vocês conhecem os mandamentos que lhes demos pela autoridade do Senhor Jesus. A
vontade de Deus é que vocês sejam santi cados: abstenham-se da imoralidade sexual. Cada um saiba controlar o seu próprio corpo de maneira santa e honrosa, não dominado pela paixão de desejos desenfreados, como os pagãos que desconhecem a Deus. Neste assunto, ninguém prejudique seu irmão nem dele se aproveite. O Senhor castigará todas essas práticas, como já lhes dissemos e asseguramos. Porque Deus não nos chamou para a impureza, mas para a santidade. Portanto, aquele que rejeita estas coisas não está rejeitando o homem, mas a Deus, que lhes dá o seu Espírito Santo”. (1 Tessalonicense 4.1-8)

O Senhor Jesus ensina a vigiar e orar para não entrar em tentação e esse conselho é fundamental para que o namoro se conduza de modo agradável a Deus. Vigiar é ser prudente, mantendo distância de tudo o que possa dar espaço ao mal, como, por exemplo: não ficarem isolados das outras pessoas (para não serem tentados a contatos mais íntimos), não exagerarem em abraços e beijos e não conversarem sobre assuntos que possam vir a provocar
excitação sexual.

A oração, por sua vez, é importantíssima para todos os cristãos em todas as circunstâncias e para o casal de namorados não é diferente. Eles devem orar juntos pelos objetivos dos dois e, principalmente, para que saibam cuidar um do outro, zelando pela vida espiritual e, consequentemente, pela bênção de Deus sobre seu relacionamento.

Relacionamento entre pais e filhos

Para aprender mais recomendamos a leitura do livro “Você não me entende!”. Sete pastores e acadêmicos oferecem respostas e soluções bíblicas para grandes problemas da vida pós-moderna e outras questões que afetam a vida dos nossos jovens e suas relações familiares. Saiba mais.

Leia também

lightstock_905_small_tgc

Uma Igreja da Palavra ou do Poder? | Por John McAlister

Então, dada a opção, qual igreja você escolheria para congregar: uma igreja da Palavra ou …