Início / Artigos / Ensine!

Ensine!

foto-postTodo veículo é equipado tanto com o para-brisa quanto com espelhos retrovisores. Ambos têm a função de orientar o condutor. Com os retrovisores conseguimos ver quem está atrás de nós ou dos lados; com o para-brisa contemplamos a estrada à nossa frente. Podemos dizer que, figuradamente, estes dois equipamentos representam o passado (retrovisor) e o futuro (para-brisa).

Pensando nisso, voltemos à nossa história narrada em Deuteronômio. O povo reunido por Deus nas planícies de Moabe não foi apenas instruído a olhar para o passado (lembre-se), mas também a olhar para o futuro (ensine). Ambos eram importantes.

De fato, a formação de um povo santo não poderia se limitar ao aprendizado da história de seus antepassados. Eles deveriam também contar essas histórias às gerações futuras. Podemos dizer então que o amor a Deus incluía tanto a disposição para obedecer a seus mandamentos, considerando o que o Senhor fizera na história, quanto a disposição de ensiná-los aos filhos e netos (Dt 6.4-9; 20-25).

A fé deveria ser possuída e entendida. Para esse fim, cada pai e mãe israelita eram chamados a formar uma “parceria” com Deus, reproduzindo no ambiente do lar e no dia a dia, o ensino, a disciplina e a orientação de Deus para com o povo. Uma das passagens mais belas e importantes a respeito da responsabilidade e do privilégio dos pais na ministração do ensino encontra-se no Salmo 78.1-8:

Povo meu, escute o meu ensino; incline os ouvidos para o que eu tenho a dizer. Em parábolas abrirei a minha boca, proferirei enigmas do passado; o que ouvimos e aprendemos, o que nossos pais nos contaram. Não os esconderemos dos nossos filhos; contaremos à próxima geração os louváveis feitos do Senhor, o seu poder e as maravilhas que fez. Ele decretou estatutos para Jacó, e em Israel estabeleceu a lei, e ordenou aos nossos antepassados que a ensinassem aos seus filhos, de modo que a geração seguinte a conhecesse, e também os filhos que ainda nasceriam, e eles, por sua vez, contassem aos seus próprios filhos. Então eles porão a confiança em Deus; não esquecerão os seus feitos e obedecerão aos seus mandamentos. Eles não serão como os seus antepassados, obstinados e rebeldes, povo de coração desleal para com Deus, gente de espírito infiel.

Vejam que há pelo menos quatro gerações envolvidas nesse processo de ensino e aprendizagem. A consequência de se perseverar na instrução é que haverá fé, lembrança e obediência.

Qual é a extensão da tragédia ao negligenciarmos este princípio? O texto de Juízes 2.10 diz que “Depois que toda aquela geração foi reunida a seus antepassados, surgiu uma nova geração que não conhecia o SENHOR e o que ele havia feito por Israel.” E nos perguntamos: como é possível? Como toda uma geração poderia simplesmente ignorar sua história e os feitos grandiosos de Deus?

Assisti um vídeo certa vez que conta a história de uma igreja construída em 1888, mas que duas gerações mais tarde fechou suas portas. Em 1957 foi pregado o último sermão. O motivo explicado pelo pastor que apresenta o vídeo foi que os homens mais velhos pararam de investir nos homens mais novos, nos jovens. E quando isso acontece, os mais jovens deixam de se importar. A tragédia de Juízes pode se repetir e de fato se repete em nossos dias.

Jesus mandou seus discípulos irem e fazerem outros discípulos, ensinando-os a guardar todas as coisas que Ele havia ensinado. Paulo lembrou a Timóteo de sua responsabilidade em transmitir as suas palavras a outros que, por sua vez, transmitiriam a outros (2 Tm 2.1, 2). Pergunto: por que não começamos em casa?

Negligenciar a disciplina diária descrita em Dt 6.4-9 e em Dt 11.18, 19 é comprometer a saúde espiritual da próxima geração e repetir a tragédia de Juízes. E de acordo com o texto sagrado, não é necessária qualquer formalidade: ensine enquanto caminha, come, tira férias etc.

Vale um lembrete para os filhos também: Pv 1.8, 9 diz: “Ouça, meu filho, a instrução de seu pai e não despreze o ensino de sua mãe. Eles serão um enfeite para sua cabeça, um adorno para seu pescoço.”

Que o Senhor abençoe pais e filhos nessa missão.

Leia também

blog_006

Aluno bom é aluno… | Por Gabriel Carvalho

Na década de 80 surgiu uma figura controversa, porém emblemática em nossa sociedade: Sivuca. Dentre …