Início / Artigos / Como avaliar uma aula de EBD | Por Gabriel Carvalho

Como avaliar uma aula de EBD | Por Gabriel Carvalho

Encerrando nossa série de textos sobre o plano de aula, precisamos falar sobre avaliação. E com isso não quero dizer que devemos “aplicar prova” para nossos alunos de Escola Dominical, mas falamos de avaliação como o trabalho pós-aula: o autoexame necessário para responder à pergunta: “Em que posso melhorar?”. Este é um passo importante, porém muitas vezes negligenciado por nossos queridos mestres, que acabam saindo de uma aula já pensando na próxima, enquanto que é importante fazer essa análise da aula que passou, a fim de reforçar os acertos e corrigir os equívocos ou erros.

Para tanto, é muito importante que haja alguma forma de feedback. Essa palavra de origem inglesa significa a resposta ou retorno de alguém em relação a alguma atividade realizada. Por isso, sempre que possível, o mestre precisa ter alguém conhecido e de confiança em sala de aula, preparado para avaliar a forma que a lição foi sendo ensinada, a fim de apontar os pontos positivos e aqueles que devem melhorar. Ninguém deve ser tão presunçoso em achar que não deve melhorar em nada mais. E, pela experiência, um dos melhores feedbacks que podemos receber vem do nosso cônjuge – pois nos conhecem bastante, e não teriam melindres em nos falar os pontos negativos e carentes de melhoria.

Além desse retorno externo, é importante o professor desenvolver algum tipo de autoanálise crítica – perceber se determinada metodologia ou forma de ensinar foi eficaz ou não, se o uso desse ou daquele recurso facilitou ou dificultou a aula etc. Isso demanda um bom autoconhecimento e percepção da realidade. Com o tempo, a própria resposta dos alunos será um indicador daquilo que estamos avaliando em sala. A importância disso é entrar em um ciclo de melhoria contínua, uma vez que queremos desenvolver nossos dons e talentos sempre da melhor forma possível.

O propósito dessa avaliação não é preencher um formulário e guardar na gaveta. Esse tipo de autoanálise serve para que a próxima aula seja melhor que a anterior. Como dito, os pontos fortes da aula anterior precisam continuar fortes na aula seguinte; e os pontos a melhorar na aula anterior precisam ser eliminados ou desenvolvidos para que se tornem pontos fortes mais à frente. Não há sentido em fazer essa análise se isso não for colocado em prática nas aulas posteriores. A avaliação da aula tem um propósito muito claro: ser um melhor professor na semana seguinte.

Além de uma avaliação aula-por-aula, é importante o professor fazer um apanhado de todo o trimestre (ou de qualquer outra forma de divisão de aulas). A ideia é que, sempre que terminar um assunto, fazer esse autoexame a respeito de todas aquelas aulas que envolveram o tema, levantando perguntas como: Será que esse tema foi adequado para os alunos? Eles se mostraram interessados com o tema? Existiu alguma aula em que a frequência foi menor? Isso se deu de forma ocasional ou pode ter a ver com o tema da aula? Quais metodologias foram utilizadas? O tempo de aula foi suficiente para o tema? Os recursos utilizados foram satisfatórios?

Podemos, dessa forma, concluir, que a avaliação – assim como todo o planejamento de plano de aula visto até aqui, são de extrema importância na construção de uma aula que visa a excelência. Estabelecer essa estrutura traz segurança aos nossos alunos e confiança ao professor, uma vez que está inteirado não apenas do conteúdo da matéria, mas da própria dinâmica de aulas. Por isso, caro mestre, dedique-se ainda mais para que suas aulas sejam abençoadoras e frutíferas, e que possamos ver o crescimento espiritual de nossos queridos alunos. Deus abençoe sua vida nesse desafio!

Leia também

Blur classroom education background empty school class lecture room interior view with no teacher nor student

O dilema da presença | Por Gabriel Carvalho

A problemática mundial trazida pelo vírus COVID-19 tem levantado questões em diversas áreas do saber …