Início / Artigos / Apocalipse | Por John McAlister

Apocalipse | Por John McAlister

É um livro de difícil interpretação. Sua linguagem e seu simbolismo são diferentes de boa parte do restante das Escrituras Sagradas. E ainda temos todas as diferentes correntes de interpretação sobre as visões escatológicas deste texto. Digamos a verdade, é um livro simplesmente perigoso de abordar. Melhor seria deixá-lo nas mãos dos especialistas no assunto. Todavia, dito tudo isso, o livro de Apocalipse deve ser lido e estudado por todos e pregado em sua totalidade em nossas igrejas. Por quê?

Primeiramente, Apocalipse faz parte da nossa Bíblia. Se toda a Escritura é inspirada por Deus e útil para o correto pensamento e procedimento do cristão neste mundo (2Tm 3.16-17), então Apocalipse não é uma exceção à regra. Além do mais, o livro é singular em suas promessas àqueles que o lêem, ouvem e guardam as suas palavras: “Feliz aquele que lê as palavras desta profecia e felizes aqueles que ouvem e guardam o que nela está escrito, porque o tempo está próximo.” (Ap 1.3) Portanto, todos os que lêem e estudam atentamente este livro podem e devem esperar por crescimento e amadurecimento em sua fé em
Cristo Jesus.

Isto porque, em segundo lugar, Apocalipse nos apresenta uma visão ampla dos propósitos soberanos de Deus para a história humana e especialmente para a vida do seu povo neste mundo. As muitas visões de Apocalipse, basicamente, se resumem a uma única visão da glória e majestade do Senhor Jesus Cristo – aquele que reina sobre a sua Igreja (Ap 1-3), que rege as nações e os governos deste mundo (Ap 4-19) e que um dia retornará para encerrar toda a história e consumar os seus
propósitos nos novos céus e na nova terra (Ap 20-22). E é esta visão do Cristo soberano que a Igreja tanto precisa recuperar hoje: tanto a parcela do corpo de Cristo carente de esperança em meio aos seus sofrimentos por ser fiel ao Evangelho, como a parcela demasiadamente comprometida com este mundo e carente de arrependimento e restauração. Em um tempo em que tantos cristãos detém uma visão míope e restrita dos propósitos de Deus, Apocalipse vem justamente para alargar esta visão a fim de não vivermos cativos às nossas circunstância presentes e passageiras, mas cativos à luz da eternidade que nos guia no mundo e no tempo presentes.

Ademais, de maneira muito peculiar, a visão panorâmica de Apocalipse desembaça a nossa visão confusa e turva neste mundo. Com clareza e perspicácia singular, este livro aguça os nossos sentidos espirituais para enxergar a batalha espiritual em andamento neste mundo pela nossa devoção e adoração. No linguajar próprio de Apocalipse, só podemos pertencer a um de dois reinos ou uma de duas companhias de adoradores: ou louvamos e nos prostramos diante do Cordeiro e Leão, ou adoraremos ao Dragão e às bestas-feras deste mundo; ou daremos ouvidos ao que o Espírito diz à sua igreja, ou atenderemos aos cantos da sereia dos falsos profetas e falsos mestres deste século; ou viveremos cativados pela visão do Reino do Senhor, que permanecerá para sempre, ou viveremos para a glória passageira dos reinos deste mundo. E em uma época como a nossa, tão dominada por ideologias e filosofias tão claramente malignas e diabólicas nos mais diversos setores da nossa sociedade, nada é tão importante quanto sermos cativados pela glória única e eterna do nosso Deus, do seu Cristo e do seu Reino presente e por vir.

Mesmo assim, talvez as imagens e os símbolos de Apocalipse ainda o intimidem profundamente: estrelas, candelabros, selos, trombetas, taças, Dragão, bestas, anjos, flagelos, e por aí vai. Porém, aqui mora mais uma razão para apreciar este livro. Em nosso tempo em que a palavra escrita e pregada tem sido marginalizada em favor das mídias visuais (afinal, qual é a média de livros lidos em comparação a filmes, seriados e vídeos assistidos em sua casa e nos lares dos membros da sua igreja?), Apocalipse tem a capacidade única de nos atrair às suas palavras por meio de imagens marcantes e chocantes. Em outras palavras, o livro de Apocalipse é singular em seu potencial de redirecionar o imaginário de uma audiência saturada por estímulos visuais e reconsagrar a nossa imaginação para a glória de Deus, do nosso Senhor Jesus Cristo e do seu Reino vindouro.

Então, não tenha medo de abrir este livro. Não tenha medo de mergulhar em suas águas profundas e turbulentas. Pelo seu Santo Espírito, nosso Senhor Jesus é capaz de nos guiar por essas águas a fim de que naveguemos mais firmes e fortes em nosso testemunho do Evangelho. Felizes, de fato, os que lêem, ouvem e guardam as palavras desta profecia.

Quer saber mais sobre o assunto? Assista a série APOCALIPSE, pregada na ICNV Catedral: https://bit.ly/33o8TYT

Leia também

blog_006

O professor e seu cônjuge | Por Gabriel Carvalho

Muito tem se falado ultimamente sobre a relação do professor com suas diversas áreas de …